Foto da Banda de Música de Luziânia. Em pé da esquerda para a direita: Nego de Maria Rosa, Salustiano (Salú), Vicente, Zequinha, Temístocles, Zezito de Cristovão, Ione de Lima, Joaquim Domingos Roriz, Milton Carneiro, José Calango, Jorge de Brecha. Sentados da esquerda para a direita: João Lopes, Luso Meireles, Antônio Março de Araújo (Seu Vô), José Carneiro e José Ratinho.

      Pela tradição dos mais antigos e vestígios de um documento aqui, outro acola, podemos dizer que a primeira banda de música conhecida, foi sui-generis (única no seu gênero).  Aproximadamente no ano de 1881.

      Conta-se que na primeira visita que o Presidente da Província fez ao Arraial de Santa Luzia (Luziânia), foi recebido festivamente na casa de ensino agrícola, pela banda de música, que tocava em instrumentos feitos de bambus.  A novidade chamou a atenção do ilustre representante de D. Pedro II, na província de Goiás.

      Em 1895, temos relatos da banda de música Euterpe de Santa Luzia.  Já em 1911, fundou-se a banda de música, que tomou o nome de União Recreativa que foi inaugurada em 11 de fevereiro de 1912.

      O ano de 1913 foi o período áureo da bandas de música de Santa Luzia, uma vez que a União Recreativa e a Euterpe de Santa Luzia disputavam o gosto popular.

A tradicional Festa do Divino Espírito Santo foi palco de entusiasmado e vibrante duelo musical travado entre as duas bandas.

Entre esses duelos musicais não houve vencidos nem vencedores, porque todas se saíram muito bem, com aplausos populares dos que se maravilhavam com as apresentações de ambas.

Em 1919, os músicos remanescentes das duas bandas se uniram e fundaram a Sonata Luziânia, que até hoje se encontra em pleno funcionamento.  

Fonte:  Gelmires Reis, artigo publicado no jornal “O popular” de 22 de maio 1959.